segunda-feira, 3 de novembro de 2014

Elton SDL fala sobre seu mais novo livro, Sintoma do Mundo - entrevista por Ricardo Biazotto


No dia 5 de outubro de 2014, tive o prazer de conceder mais uma entrevista ao site literário Over Shock, do escritor e amigo Ricardo Biazotto. Nela, falei sobre meu novo trabalho, Sintoma do Mundo, sobre literatura, poesia. Em uma matéria muito bacana, Ricardo pontuou os principais trechos da entrevista que segue agora na íntegra para os leitores do blog. 




Ricardo Biazotto: Em sua opinião, o que mudou no mercado editorial desde a publicação de “Mentalmorfose”?


Elton SDL: Uma das coisas que mais tem chamado minha atenção desde 2012 é o aumento do número de autores publicando poesia. Acredito que esse fenômeno ocorreu junto com o surgimento de novas editoras independentes e pequenas editoras em geral, uma vez que os gigantes do mercado prezam pelas publicações em prosa – ou de poetas já consagrados, muitas vezes com reedições ou antologias de suas obras, o que para elas é mais viável comercialmente. No entanto, o novo autor não precisa mais ficar a mercê das grandes editoras, não precisa sequer ficar esperando por elas. As pequenas e médias editoras abrem um espaço muito grande para os poetas, ouso dizer até maior. Fiquei muito feliz em ver o número de títulos de poesia crescer nas prateleiras, desde 2012. Muitas pessoas tinham a impressão de haver pouca gente nova fazendo poesia – o que é uma grande inverdade. O que faltava era mais espaço e visibilidade para os novos poetas. 

Ricardo Biazotto: O que significa, para a sua carreira, a publicação de “Sintoma do Mundo”?

Elton SDL: Mais um passo dado e a resistência da poesia enquanto modo de vida. É gratificante saber e sentir que meu trabalho continua vivo, não apenas no sentido literário da coisa, mas no sentido existencial, pois é ele que me mantém vivo também. Continuar escrevendo e publicando é continuar, sobretudo, expressando-me. Comungar ideias com o leitor, manter um diálogo com o mundo, isso é muito importante para mim. 

Sintoma do Mundo também significa um amadurecimento não só na minha carreira, mas na minha própria vida e na minha poesia. Não sou completamente diferente daquele poeta que escreveu Mentalmorfose, mas também não sou exatamente o mesmo. As mudanças em nossas vidas são refletidas em nossa arte. Nesse sentido, os poemas de Sintoma do Mundo são mais maduros, ainda que isso signifique que eles são mais duros e sombrios, muitas das vezes. 

Ricardo Biazotto: Qual mensagem você quer transmitir com essa obra? E o que você pode comentar sobre a belíssima capa de Ricardo A. O. Paixão?

Elton SDL: A Editora Penalux faz um trabalho excelente em todos os segmentos – com a arte da capa não podia ser diferente. Embora eu já tivesse um conceito com o título e a imagem do livro já estivesse formada em mente, foram necessárias algumas tentativas até que o resultado final pudesse ser atingido de modo satisfatório. Isso porque mudei de ideia ao longo do processo de criação da capa. As conversas que tive com João Lemos, também da Penalux, sobre o conteúdo do livro e sobre as possibilidades de capa, contribuíram muito nessa evolução. Descrevi para João o que queria transmitir com o título e com o livro em si, disse para ele o tipo de imagem que tinha em vistas e ele me apresentou algumas artes. Dentre elas, uma gravura medieval chamada “Wound Man”, atribuída a Hans von Gersdorff. Assim que vi a gravura, pensei: “É isso! É exatamente isso que estou procurando!” A imagem era forte e tinha muito poder de comunicação visual, sem falar que casava perfeitamente com o livro. Felizmente ela se encontra em domínio público, então não tive problemas com direitos autorais, ao contrário do que pensei. Ricardo A. O. Paixão fez a composição da capa, trabalhando magistralmente com base na imagem e o resultado foi fantástico. 
Quero que cada leitor e cada leitura possa ter sua própria visão sobre o livro. Mas... muitos poemas falam sobre as dores, amores, alegrias e angústias que nos atingem muitas vezes, como armas afiadas. Amor e dor podem ter a mesma intensidade, a alegria e a tristeza podem recair sobre nós com bastante força. Estamos produzindo e sendo produzidos pelo mundo o tempo todo. Há muita coisa boa vindo dele, sem dúvidas, mas também vivemos em um mundo doente, sob muitos aspectos, de modo que, feridos por ele, tornamo-nos seus sintomas. Essa é uma das ideias por trás da capa e do título. Um homem mártir, condenado a sentir todas as dores que o mundo impõe, mas que ao mesmo tempo é desafiado constantemente a resistir. Longe de produzir um otimismo barato ou um pessimismo gratuito, mas, note que o homem da capa, apesar de destroçado e machucado, continua de pé. 



Ricardo Biazotto: Com a experiência da publicação anterior, você encontrou alguma diferença no processo de preparação de seu novo livro?

Elton SDL: Desde a fase de compilação dos poemas até o momento em que o livro foi para a gráfica, tudo foi diferente. Sintoma do Mundo possui o dobro de páginas, em relação ao primeiro livro. O maior volume de poemas aumentou naturalmente o trabalho de revisão e edição, houve bastante trabalho, tanto para a editora quanto para mim. O livro iria sair ainda maior do que ficou, mas, pensando na redução de custos da produção e visando um preço final acessível para o leitor, resolvemos por bem cortar alguns textos e diminuir o número de páginas. Nada que comprometa a obra, asseguro (risos). Não deixa de ser uma nova experiência estética, poética e existencial.
Tive a sorte e o prazer de encontrar na Penalux uma grande parceira, uma editora que não trata seu trabalho como apenas mais uma obra a ser publicada na agenda de trabalhos, mas sim como o resultado genuíno de um modo singular de pensar e sentir. Isso ajudou bastante no processo. Foi, em suma, um trabalho mais cuidadoso, com muito comprometimento de ambas as partes (autor e editora). Foi muito produtivo e humano. 


Com o escritor Imortal da Academia Brasileira de Letras, Antônio Torres


Trocando livros e autógrafos também com o escritor Carlito Lima



   


Ricardo Biazotto: Qual a sua expectativa em relação ao evento de lançamento de “Sintoma do Mundo”, que acontecerá em 17 de outubro?

Elton SDL: Estou bastante empolgado com o lançamento. A Livraria Adapter vem se destacando no interior de Alagoas por promover acesso e difusão em termos de arte, cultura e leitura, através da promoção de eventos, incentivando não apenas o público a consumir mais literatura, mas também cedendo espaço para os produtores de literatura, sejam eles novos ou veteranos. Fiquei honrado e feliz com o convite por parte da livraria, será um evento bonito. Além do lançamento do meu livro, o evento promoverá palestras, apresentações musicais com bandas locais e livros a preços acessíveis para toda a população. Farei um pequeno bate-papo com o público, antes da sessão de autógrafos. Espero receber muitos leitores e amantes da poesia. 
-----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Um comentário:

  1. Elton, foi um prazer enorme ter a oportunidade de entrevistá-lo novamente, em especial por dessa vez ser sobre o seu novo trabalho. Trabalho esse que tenho certeza que será um grande sucesso.
    Espero que seus leitores gostem da matéria publicada no Over Shock, bem como de toda a entrevista.

    Forte abraço!
    Ricardo - www.overshockblog.com.br

    ResponderExcluir

Grato por comentar!

O que estou lendo agora?

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More